Texto bíblico:    Mt 1, 18- 25 

Constituições – Art. 27

 

 Reflexão:

 “A concepção virginal de Maria é um sinal (cf Is 7, 14 relido por Mt 1, 22-23), que  contém em si dupla orientação: ele significa, Isto é revela, a divindade de  cristo como Filho de Deus (do Pai) e a regeneração dos crentes como filhos de Deus.”[1]

É o próprio Deus que se reveste de semblante humano. “Deus amou tanto o mundo, que deu seu Filho único, para que todo o que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna. Pois Deus não enviou o seu filho ao mundo para julgar o mundo, mas para que o mundo seja salvo por ele.” (Jo 3, 16-17).

A concepção virginal do Filho de Deus, foi um prodígio que surpreendeu toda a expectativa humana. Poderíamos duvidar de que o Espírito esteja sempre pronto e atento em refazer um mundo entristecido pelo mal? “Mas enfim será infundido em nós um espírito do alto; então o deserto se transformará em jardim e o jardim será considerado uma floresta. No deserto habitará o direito e a justiça reinara no jardim. Enfim a  justiça será a paz...” (Is 32, 15-17)[2]

Hoje, nós nos perguntamos em que a concepção virginal de Cristo nos toca, ou- em outras palavras- porque Deus quis escolher essa via inédita para entrar no mundo. “Maria recorda a todos que a virgindade é libertação daquele desejo que transforma o amor em dependência; mas não é absolutamente renuncia ao amor.”[3]

A maternidade divina de Maria é fundamental para sua maternidade espiritual junto aos cristãos.[4]

Lumen Gentium nos fala que “a Virgem Maria, que na Anunciação do Anjo recebeu o Verbo de Deus no coração e no corpo e trouxe aio mundo a Vida, é reconhecida e honrada como verdadeira Mãe de Deus e dôo redentor. Em vista dos méritos de seu Filho foi redimida de um modo mais sublime e unida a Ele por um vínculo estreito e indissolúvel, é dotada com à missão sublime e a dignidade de ser Mãe do Filho de Deus, e por isso filha predileta do Pai e sacrário do Espírito Santo” (LG 53).

Na Virgem, encontramos “uma Mãe por um título absolutamente especial. De fato, se a nova maternidade conferida a Maria no Calvário é um dom feito a todos os cristãos, tem um valor específico para quem consagrou plenamente a própria vida a Cristo. « Eis aí a tua Mãe » (Jo 19,27): estas palavras de Jesus, dirigidas ao discípulo « que Ele amava » (Jo 19,26), assumem uma profundidade particular na vida da pessoa consagrada. De fato, esta é chamada, como João, a tomar consigo Maria Santíssima (cf. Jo 19,27), amando-A e imitando-A com a radicalidade própria da sua vocação, e experimentando da parte d'Ela, em contrapartida, uma especial ternura materna” (VC 28).

A virgindade de Maria ilumina a questão sobre quem é o ser humano diante de Deus: um terreno virgem e inexplorado, onde tudo pode acontecer. A pessoa humana, em Maria, chegou ao ponto máximo de plasmar em suas entranhas o próprio Deus.

Maria viveu uma ruptura, abandonando os privilégios da maternidade biológica para entrar humildemente no grupo dos seguidores de Jesus. Aí sim, sua maternidade recobra pleno valor; ela reúne a comunidade em torno de Jesus, impelindo-a a fazer a sua vontade. Junto com os Apóstolos prepara a vinda do espírito que continua em nós a missão de Jesus.

Maria é a humana imagem materna da paternidade de Deus. Por meio de Maria, Deus converteu-se em Pai dentro da história.

 

Partilha:

1. Maria permite que Deus realize nela e por ela o Seu plano de Amor. O ventre de Maria torna-se a Arca da Aliança, onde se abriga a Palavra encarnada e manifesta a grandeza de sua condição feminina. Não tenhamos medo de deixar que o Espírito Santo fecunde nossa vida. Em nossa vida e missão como estamos assumindo o projeto de Deus?

 2. A minha vida favorece a qualidade do conviver na criatividade e na capacidade de fazer-se   dom de si ao outro?

 3. Lumen Gentium(53) nos diz  que Maria é a filha predileta do Pai e sacrário do Espírito Santo. Como cuido do corpo templo do Espírito Santo?

 4. A exemplo de Maria a humilde Serva do Senhor, que através do sim, concebeu do Espírito Santo gerando o Salvador.  O que estou gerando? 

  

Oração

 “Tu és bendita, ó filha, pelo Deus altíssimo, mais que todas as mulheres da terra. Bendito é o Senhor, nosso Deus, que criou o céu e a terra... O teu louvor não se apagará do coração de todos os que se lembrarem, para sempre, da força de Deus! Que o Senhor te conceda, para tua exaltação eterna, que Ele te visite com seus bens, porque não poupaste a tua vida por causa da humilhação do nosso povo, mas te opuseste à nossa ruína, correndo diretamente ao alvo, na presença do nosso Deus!” E todo o povo aclamou: “Amém, Amém!” (Jt 13, 18-20).

“Tu és bendita em todas as tendas de Judá e entre todos os povos! (Jt 14, 7b)

“Tu és a exultação de Jerusalém, a glória imensa de Israel, o grande louvor da nossa gente. Tudo isto fizeste com a tua mão, fizeste o bem para Israel e Deus se agradou destas coisas. Tu és bendita, ó mulher, junto de Deus todo-poderoso, para todo o sempre!” E todo o povo respondeu: “Amém, Amém!” (Jt 15,9b-10)

 

 

BIBLIOGRAFIA:

[1] FIORES, De S. Virgem. Dicionário de Mariologia. p.1312.

[2] Idem, p.1313.

[3] Idem, p.1340.

[4] Dicionário  de  Mariologia, p.459.

Você está aqui: Home Espiritualidade Ave-Maria Maria, Virgem e Mãe - Out. 2012